Conecte-se conosco

7ª RODADA – Guarani 2 x 0 CRB

Ainda não foi aquela atuação regular e consistente que o torcedor espera, mas o Guarani soube, mais uma vez, fazer seu dever de casa na Série B do Brasileiro. Com um primeiro tempo ruim e melhora de rendimento após o intervalo, o Bugre conseguiu a terceira vitória no campeonato ao derrotar o CRB por 2 a 0, na noite deste sábado, no Brinco de Ouro, em partida válida pela sétima rodada. Ricardinho em lindo chute de fora da área e Rondinelly, de pênalti, definiram o placar.

Com o resultado, o Alviverde alcança o terceiro jogo de invencibilidade e sobe na classificação – ocupa a 10ª posição, com 10 pontos, quatro atrás do Coritiba, último time no G4 e quatro à frente do primeiro na zona de rebaixamento, que é justamente o CRB. Agora, o Guarani se prepara para dois compromissos seguidos fora de casa – o primeiro marcado para sexta-feira, às 19h15, contra o Juventude.

PRIMEIRO TEMPO
A noite fria, o horário ruim e o momento complicado do país interferiram diretamente na presença do torcedor e o Brinco de Ouro recebeu seu pior público na temporada. E os pouco mais de 1.700 presentes tiveram que acompanhar um primeiro tempo tecnicamente bem ruim, que seria salvo só nos minutos finais graças ao golaço de Ricardinho.

Antes da abertura do placar, porém, nada emocionante aconteceu. O jogo do Bugre não fluiu na etapa inicial, principalmente pela atuação do quarteto ofensivo. Com a transição bastante lenta, Rafael Longuine e Rondinelly foram facilmente absorvidos pela marcação rival e Guilherme, o mais veloz, errou quase tudo que tentou. Assim, Anselmo Ramon passou vários momentos isolado e pedindo aproximação dos companheiros.

Quem quis facilitar as coisas era João Carlos. O goleiro do CRB se enrolou em pelo menos três lances e quase complicou sua equipe. Com dificuldades evidentes de criar oportunidades trabalhando a bola pelo chão, os donos da casa resolveram apostar no jogo aéreo e, dessa maneira, até conseguiram finalizações, mas as tentativas de Rondinelly, aos 19′, Anselmo Ramon, aos 22′, e Philipe Maia, aos 32′, não tiveram direção.

Pouco ameaçado, o time alagoano se preocupava em fazer forte marcação e tentativas de saída em velocidade. Os visitantes até exploraram bastante o lado do estreante Pará, mas também não conseguiram êxito na construção das jogadas.

O 0 a 0 era extremamente justo pela produção das duas equipes, mas o melhor jogador em campo no primeiro tempo resolveu tirar a partida da mesmice em que se encontrava. Após uma disputa de bola que começou em mais um dos tantos cruzamentos, o rebote ficou com Ricardinho. O incansável volante dominou no peito, acertou um chute de rara felicidade de fora da área e mandou no ângulo direito para marcar um golaço e abrir o placar, aos 39′.

SEGUNDO TEMPO
O que faltou de futebol em toda a etapa inicial, as duas equipes conseguiram apresentar após o intervalo. O CRB deu o primeiro susto com um minuto, em cabeçada de Feijão. Depois, uma sucessão de chances do Guarani. Aos 3′, Guilherme teve duas oportunidades. Após roubada de bola, o meia arrancou, arriscou e acertou o travessão. No rebote, recebeu de Rafael Longuine e parou em João Carlos. O goleiro ainda trabalharia bem em finalização rasteira de Anselmo Ramon.

Com o jogo mais aberto e o adversário obrigado a se expor, os espaços aumentaram e o Bugre, mais ligado, soube aproveitar para ampliar o placar, aos 18′. Em cruzamento de Anselmo Ramon, Rafael Longuine foi derrubado na área por Diego Matheus e o árbitro assinalou o pênalti. Com categoria e firmeza, Rondinelly bateu no canto direito e o goleiro, apesar de acertar o lado, não chegou: 2 a 0.

A vantagem deu mais tranquilidade aos donos da casa e elevou o nervosismo do CRB, que em algumas vezes abusou da rispidez nas jogadas. Com a partida totalmente controlada, o Guarani se deu ao luxo de administrar o ritmo, mas ainda assim criou chances. Ricardinho quase fez mais um de fora da área, aos 22′, mas a finalização foi à esquerda.

Lá atrás, a defesa bugrina teve comportamento positivo. Bem postado e organizado, o sistema de marcação neutralizou as ações do CRB, que só conseguiu voltar a levar perigo em cabeçada de Neto Baiano. No mais, o goleiro Bruno Brígido foi mero espectador e realizou apenas intervenções simples.

Com o jogo resolvido, Umberto Louzer teve a oportunidade de promover a estreia de Kauê, deu mais uma chance a Erik e também descanso a Pará, que aguentou quase 80 minutos de jogo. As substituições serviram apenas para ganhar tempo e o Bugre administrar com tranquilidade a vitória, que ainda não empolga, mas seguramente garante dias de trabalho em mais tranquilos.

FICHA DO JOGO

GUARANI 2 x 0 CRB


Bruno Brígido; Lenon, Philipe Maia, Edson Silva e Pará (Marcílio, 41’/2º); Baraka e Ricardinho; Guilherme (Erik, 41’/2), Rondinelly e Rafael Longuine (Kauê, 29’/2º); Anselmo Ramon. Técnico: Umberto Louzer.


João Carlos; Diogo Matheus, Flávio Boaventura, Anderson Conceição e Diego; Feijão e Tinga; Edson Ratinho (Alípio, intervalo), Diego Rosa (Mazola, 30’/2º) e Willians Santana (Leilson, 19’/2º); Neto Baiano. Técnico: Júnior Rocha.

Gols: Ricardinho, aos 39 minutos do primeiro tempo; Rondinelly (pênalti), aos 18 minutos do segundo tempo
Público: 1.737 pagantes.
Renda: R$ 21.489,00.
Local: Estádio Brinco de Ouro.
Data e horário: Sábado, 26 de maio, às 21h.
Árbitro: Emerson de Almeida Ferreira (MG).
Cartões amarelos: Willians Santana, Diego, Anderson Conceição, Flávio Boaventura (CRB)
Cartão vermelho: Flávio Boaventura, aos 47 minutos do segundo tempo.

Comentários

comentários