Conecte-se conosco

25ª RODADA – Guarani 0 x 2 Goiás

O Guarani, outra vez, dependia só dele para ficar no G4 da Série B do Brasileiro, mas na hora de fazer sua parte o time falhou novamente. Em um confronto direto na luta pelo acesso, o Bugre teve 30 minutos muito bons de futebol, não aproveitou as chances e quando tomou o primeiro gol se desestruturou. Depois, não conseguiu reagir, levou mais um e amargou a derrota por 2 a 0 para o Goiás, nesta terça-feira à noite, no Brinco de Ouro, pela 25ª rodada. Lucão e Caíque Sá marcaram os gols da equipe esmeraldina, cada vez mais embalada no campeonato.

Com o resultado, o Alviverde chega a três partidas sem vitória no torneio e cai para a sexta colocação, com 37 pontos, ainda podendo ser ultrapassado pelo Figueirense. Mais distante do grupo dos quatro primeiros, a equipe já volta a campo na sexta-feira, às 16h, para enfrentar o CRB, no Estádio Rei Pelé, em Maceió.

PRIMEIRO TEMPO
Com os retornos do lateral-esquerdo Pará e do meia Matheus Oliveira e a presença de Bruno Xavier como novidade entre os titulares, o Guarani começou o jogo do jeito que o técnico Umberto Louzer havia prometido. O time tomou o controle das ações, se impôs e teve quase 30 minutos de bom futebol e muita pressão para cima do Goiás.

O ritmo forte  e a marcação feroz no campo adversário gerou oportunidades. Aos 3′, Rafael Longuine cobrou escanteio, Bruno Mendes subiu bem, mas cabeceou fora. Após roubada de bola, aos 9′, Longuine bateu de fora da área e deu trabalho ao goleiro.

Agredindo por todos os lados e sem deixar o adversário respirar, o Bugre armou uma blitz e por muito pouco não abriu o placar aos 15′. Na cobrança de falta ensaiada, Rafael Longuine bateu forte e Marcos espalmou. No rebote, Bruno Mendes tentou o tiro cruzado e o goleiro goiano salvou com a ponta dos dedos. Principal figura do primeiro tempo, o camisa 1 esmeraldino ainda trabalhou bem em tentativa de Matheus Oliveira, ao pegar em dois tempos.

O jogo parecia controlado e a impressão era de que o gol dos donos da casa seria apenas questão de tempo, mas o Goiás, depois de ser bombardeado e suportar a pressão, conseguiu surpreender aos 29′, na primeira escapada em velocidade. Caíque Sá armou o contra-ataque pela direita, passou por Fabrício e fez o cruzamento. Lucão tentou de letra, a defesa bloqueou, mas o atacante aproveitou a sobra para tocar para o gol, acabar com a invencibilidade de 389 minutos de Agenor sem ser vazado e abrir o placar.

O gol alterou completamente o panorama da partida. O Guarani sentiu demais o baque e os visitantes aproveitaram esse desequilíbrio. O segundo gol não saiu por questão de mero detalhe, aos 33′. Dessa vez a descida foi pela esquerdo com Ernando, que teve três oportunidades seguidas. Nas duas primeiras parou em Agenor e na terceiro acertou o travessão.

Depois dos minutos de apagão, o Bugre tentou se reencontrar no jogo. Com posse de bola, buscou ocupar o campo de ataque para pressionar o rival, mas sem o mesmo volume de antes. Ansioso e precipitado na tomada de decisões, terminou o primeiro tempo correndo muito, mas errando na mesma proporção.

SEGUNDO TEMPO
Sem alterações no intervalo, o Guarani voltou para a etapa final com o objetivo de colocar fogo no jogo, mas não conseguiu apresentar a volúpia do início da partida. Apesar da tentativa de imposição, faltavam aos donos da casa organização e consistência ofensiva para se impor. Bem mais confortável, o Goiás levava perigo no contra-ataque. Aos 9′, Rafinha disparou em velocidade, serviu Caíque Sá e o lateral parou em Agenor.

A necessidade de se expor foi um obstáculo e tanto para os bugrinos, que confundiram velocidade com pressa e abusaram dos equívocos na construção de jogadas. Cada erro de passe só aumentava a bronca da torcida e o nervosismo dos atletas.

Umberto Louzer tentou mudar a cara do time. Primeiro promoveu a entrada de Jefferson Nem, depois abriu de vez a equipe ao sacar o volante Willian Oliveira e apostar em Rondinelly, e ainda mandou a campo Marcão no lugar de Matheus Oliveira.

A ideia era amassar o adversário nos minutos finais, mas a presença de dois meias de criação e dois centroavantes para ocupar a área não foram suficientes para dar ao time a ofensividade necessária. Sem conseguir chegar com real perigo ou dar trabalho ao goleiro adversário, o Bugre em momento algum esteve realmente perto do empate.

Dentro de sua proposta executava quase à perfeição, o Goiás foi letal para liquidar a partida aos 37′. Com a defesa adversária totalmente desorganizada, os visitantes trabalharam a bola com toda a tranquilidade até Caíque Sá arriscar de fora da área e fazer 2 a 0. E a vantagem só não foi maior porque o chute de Júnior Viçosa, aos 41′, parou na trave direita.

FICHA DO JOGO

GUARANI 0 x 2 GOIÁS


Agenor; Kevin, Philipe Maia, Fabrício e Pará; Willian Oliveira (Rondinelly – 25’/2º) e Ricardinho; Matheus Oliveira (Marcão – 30’/2º), Rafael Longuine e Bruno Xavier (Jefferson Nem – 17’/2º); Bruno Mendes. Técnico: Umberto Louzer.


Marcos; Caíque Sá, David Duarte, Edcarlos e Ernandes; Gilberto Júnior; Rafinha (Maranhão – 27’/2º), Giovanni, Renato Cajá (João Afonso – 29’/2º) e Michael; Lucão (Júnior Viçosa – 34’/2º). Técnico: Ney Franco.

Gols: Lucão, aos 29 minutos do primeiro tempo; Caíque Sá, aos 37 minutos do segundo tempo.
Público:
2.781 pessoas.
Renda:
R$ 38.092,00.
Local:
Estádio Brinco de Ouro.
Data e horário:  Terça-feira, 4 de setembro, às 19h15.
Árbitro: Diego Pombo Lopez (BA);
Cartões amarelos: Bruno Xavier, Willian Oliveira, Rafael Longuine, Bruno Mendes (Guarani); Giovanni, David Duarte, Lucão (Goiás)

Comentários

comentários