Conecte-se conosco

13ª RODADA – Guarani 1 x 1 Boa Esporte

O filme se repetiu. Outra vez o Guarani teve a vitória na mão, mas vacilou nos momentos decisivos e desperdiçou pontos preciosos. Com um gol sofrido aos 41 minutos do segundo tempo, o Bugre cedeu o empate para o lanterna Boa Esporte em 1 a 1, na noite desta sexta-feira, no Brinco de Ouro, e amargou o terceiro tropeço consecutivo em casa na Série B do Brasileiro. Rafael Longuine abriu o placar, mas Manoel deixou tudo igual.

É o quarto empate consecutivo da equipe alviverde no campeonato. Com 17 pontos após 13 rodadas, o Guarani fica na 9ª posição e continua sem poder se aproximar do pelotão da frente. Na próxima quinta-feira, às 18h, o compromisso é com o Oeste, na Arena Barueri.

PRIMEIRO TEMPO
O primeiro tempo teve um time que tentou atacar e o outro que só se preocupou em defender. Desde o primeiro minuto, o Boa Esporte mostrou que a proposta era se fechar todo lá atras para tentar explorar contra-ataques. Com duas linhas de marcação próximas e compactas, o time visitante tirou os espaços do Guarani. É bem verdade que, nos instantes iniciais, o Bugre foi mais agressivo e se impôs tentando furar esse bloqueio.

Quem levou perigo pela primeira vez, no entanto, foi a equipe mineira, aos 15′. Após lançamento longo, Alison desviou de cabeça e por muito pouco não encobriu o estreante goleiro Georgemy, que não fez sequer uma defesa durante a etapa inicial.

Ao Guarani, restava trocar passes à procura de uma brecha. Com superioridade massacrante na posse de bola, o time tinha volume, mas isso não se refletia em produtividade. Na falta de um drible ou um passe qualificado capaz de ‘quebrar’ a marcação adversária, o Bugre ficava numa zona confortável para o adversário e, quando tinha uma chance de acelerar, abusava da lentidão.

Com todo o time no campo de ataque, o Alviverde rodou a bola de um lado a outro, mas as jogadas só pareciam fluir do lado direito, com Kevin e Bruno Nazário. Em sua despedida, o meia até chamou a responsabilidade, mas se precipitou em alguns lances. Foi justamente em um lance por ali que o Bugre quase marcou, aos 28′. Kevin recebeu de Ricardinho, fez o cruzamento e Rafael Longuine apareceu de frente para o gol, mas a finalização do meia foi bloqueada por Caíque.

SEGUNDO TEMPO
Já no intervalo, o técnico Umberto Louzer sacou o apagado Caíque para a entrada de Matheus Oliveira e a mudança nitidamente melhorou o Guarani, que voltou mais agressivo. Pelo lado esquerdo, o meia entrou muito a fim de jogo. Arriscou dribles, foi incisivo e permitiu que o Bugre não ficasse engessado apenas pela direita.

Mais objetivos, os donos da casa criaram chances naturalmente. Aos 3′, Rafael Longuine recebeu ótimo passe de Bruno Nazário, mas errou o alvo. Aos 9′, o meia recebeu de Matheus Oliveira e foi travado. De longe, Matheus Oliveira tentou surpreender e a finalização acertou a trave. De tanto insistir, o gol finalmente saiu aos 14′. Kevin fez o passe na área e Rafael Longuine dessa vez foi certeiro. O camisa 10 se atirou em direção a bola para dar um tapa no canto direito e abrir o placar.

Recuado o tempo todo, o Boa Esporte resolveu sair de trás após ficar em desvantagem e deixou o confronto mais franco. Aos 22′, Edson Silva quase fez o segundo para o Guarani, mas a cabeçada do zagueiro foi detida por ótima defesa de Fabrício no canto direito. Do outro lado, a bola aérea também levou perigo. Daniel Cruz recebeu cruzamento, fez o desvio e assustou.

Com as ações da partida mais equilibradas, a equipe visitante não deixou o Bugre confortável em momento algum. Apostando nas jogadas em cima de Pará, os mineiros tentaram esboçar uma pressão, mas eram prejudicados pela limitação técnica. Já o Guarani, sem conseguir encaixar um contra-ataque para liquidar a partida, tentou esfriar o ímpeto adversário segurando a bola e gastando o tempo.

Em meio a apreensão pelo jogo ainda não decidido, a torcida homenageou Bruno Nazário no momento em que o meia foi substituído, aos 40′. No lance seguinte, porém, o que eram aplausos para o camisa 11 se transformaram em bronca contra o time inteiro pelo empate sofrido. Após cobrança de falta de Kaio Cristian, Manoel desviou de cabeça no canto direito e Georgemy não conseguiu segurar.

Os instantes finais foram de total destempero do Guarani. A equipe sentiu demais outro gol sofrido no momento decisivo da partida e não conseguiu reagir. Matheus Oliveira ainda teve uma última chance, mas parou na defesa do goleiro. Mais nervosa que o time ficou a torcida, que não perdoou outro vacilo em casa, dessa vez contra o pior time do campeonato.

FICHA DO JOGO

GUARANI 1 x 1 BOA ESPORTE


Georgemy; Kevin, Philipe Maia, Edson Silva e Pará; Ricardinho e Denner (Gabriel Poveda, 45’/2º); Bruno Nazário (Guilherme, 40’/2º), Rafael Longuine e Caíque (Matheus Oliveira, intervalo); Bruno Mendes. Técnico: Umberto Louzer.


Fabrício; Hélder, Caíque, Luan e Elivelton; Djavan e Willian Schuster; Daniel Cruz, Douglas Baggio (Bruno, intervalo) e Alyson (Kaio Cristian, 16’/2º); Felipe (Manoel, 23’/2º). Técnico: Ney da Matta.

Gols: Rafael Longuine, aos 14 e Manoel, aos 41 minutos do segundo tempo.
Público: 2.248 pagantes.
Renda: R$ 26.801,00.
Local: Estádio Brinco de Ouro.
Data e horário: Sexta-feia, 29 de junho, às 21h30.
Árbitro: Antônio Dib Moraes de Souza (PI).
Cartões amarelos: Philipe Maia, Kevin, Georgemy, Matheus Oliveira (Guarani); Douglas Baggio, Djavan, Caíque, Willian Schuster (Boa Esporte)

Comentários

comentários