Conecte-se conosco

8ª RODADA – Guarani 2 x 1 Taubaté

Das vaias à festa. Das cobranças aos aplausos. A reação do torcedor bugrino ao final de cada tempo foi a representação fiel do que seu time apresentou na tarde deste sábado. Depois de um primeiro tempo preocupante e sem vibração, o Guarani mudou de maneira drástica seu comportamento na etapa complementar e conseguiu a reabilitação na Série A2 do Campeonato Paulista ao vencer o Taubaté por 2 a 1, no Estádio Brinco de Ouro, em partida válida pela oitava rodada.

Flávio Carioca abriu o placar para os visitantes no início da partida, mas o Bugre virou no segundo tempo graças a dois belos gols. Primeiro uma pintura de bicicleta de Bruno Nazário e depois com uma conclusão cheia de categoria de Rondinelly. A quarta vitória em cinco jogos em casa deixa o Alviverde com 15 pontos e não só dentro do G4, como também na vice-liderança, atrás apenas do São Bernardo. No próximo sábado, às 17h, o desafio é contra o lanterna Audax, em Osasco.

PRIMEIRO TEMPO
As atenções antes de a bola rolar estavam voltadas para Fumagalli. O ídolo bugrino, que usou o número 300 e foi homenageado com sua imagem estampada no túnel que dá acesso ao gramado, recebeu reverências do torcedor assim que pisou no gramado e viu todos os companheiros entraram em campo também com a camisa 300,  em alusão ao número de jogos completados pelo meia na última quarta-feira.

Assim que o jogo começou, no entanto, o capitão certamente não aprovou o comportamento do time. O Taubaté deu o primeiro sinal de que as coisas não pareciam no lugar aos 2, quando Natan teve liberdade para domina e finalizar sobre o gol. A postura dispersa dos donos da casa cobrou seu preço aos 7. Bruno Ré aproveitou todo o espaço deixado pelo lado direito da defesa bugrina e cruzou na cabeça de Flávio Carioca. O atacante cabeceou, Bruno Brígido tentou fazer a defesa, mas não evitou a abertura do placar.

O gol gerou as primeiras reclamações vindas das arquibancadas, e elas só aumentaram no decorrer do primeiro tempo diante da atuação apática do time. Se na derrota para o XV o problema foi a falta de sorte e capricho nas finalizações, o defeito da vez era a falta de apetite. Monopolizando as jogadas pelo lado direito, o Guarani foi previsível e a falta de inspiração gerou pouquíssimas chances. A melhor delas foi numa das únicas vezes em que o time encaixou uma triangulação. Após troca de passes, Rondinelly acionou Ricardinho e o volante abriu para Lenon, que bateu rasteiro para defesa de Fábio.

Não bastasse a pouca produtividade ofensiva, o Bugre também continuava oferecendo espaços lá atrás. Na velocidade de Gustavinho, o Taubaté explorava as costas dos defensores e o atacante do Taubaté esteve perto de ampliar o marcador, aos 30, em tiro cruzado que exigiu intervenção importante de Bruno Brígido. Assim que o árbitro encerrou o primeiro tempo, as vaias tomaram conta do Brinco de Ouro.

SEGUNDO TEMPO
O técnico Umberto Louzer não mexeu em peças para a etapa complementar, mas a conversa no vestiário surtiu efeito. O Guarani resolveu fazer tudo o que ainda não tinha feito na partida. Foi o time ofensivo, veloz e agudo que se espera e sufocou o Taubaté. A movimentação e a troca de passes confundiram e essa mudança de comportamento foi premiada com um gol pra se lembrar por muito tempo. Aos 6, Rondinelly colocou na área e Bruno Nazário levou o estádio abaixo com uma bicicleta que ainda tocou na trave direita: golaço.

Ligado na tomada, o Alviverde não perdeu o apetite. Diante de um Taubaté assustado, os donos da casa mantiveram o ritmo em busca da virada. Comandando o meio-campo, Rondinelly fez passe primoroso para Erik, que arrumou para o pé direito e bateu para defesa de Fábio, aos 14′. Muito superior em campo, o Guarani alcançou a virada aos 24. Baraka brigou, recuperou uma bola que parecia perdida e fez o passe para Lenon. De cabeça erguida, o lateral-direito colocou a bola na área e Rondinelly veio de encontro à redonda para bater bonito de primeira e fazer 2 a 1.

A virada mudou a atmosfera do estádio e a torcida, antes irritada, reconheceu o esforço do time em buscar a reviravolta. Limitado tecnicamente, o Taubaté não conseguiu esboçar reação. Apesar de ter o placar bem administrado, o Guarani diminuiu o ímpeto. Umberto Louzer reforçou o meio-campo com Denner na vaga de Rondinelly, depois apostou em Serafim e ainda tirou o cansado Lenon para a entrada de Kevin.

Com o jogo sob controle, o Bugre ainda teve a chance de tornar a vitória mais dilatada. Já nos acréscimos, Erik foi derrubado na área. Depois de muita discussão para saber quem cobraria o pênalti, Bruno Mendes assumiu a responsabilidade, mas bateu mal no canto esquerdo, Fábio defendeu e evitou o sexto gol do atacante no campeonato.

FICHA DO JOGO

GUARANI 2 x 1 TAUBATÉ

GUARANI
Bruno Brígido; Lenon (Kevin, 39/2º), Lucas Kal, Fernando Lombardi e Marcílio; Baraka e Ricardinho; Bruno Nazário (Serafim, 35/2º), Rondinelly (Denner, 30/2º) e Erik; Bruno Mendes. Técnico: Umberto Louzer.

TAUBATÉ
Fábio; Jean, Diogo Borges, Donato e Bruno Ré; Elivélton e Roniele (Willian Favoni, 20/2º); Natan, Francisco Alex (Jhonny, 32/2º) e Gustavinho (Rodrigo, 12/2º); Flávio Carioca. Técnico: Marcelo Martelotte.

Gols: Flávio Carioca, aos 7 minutos do primeiro tempo; Bruno Nazário, aos 6 minutos e Rondinelly, aos 24 minutos do segundo tempo.
Público: 4.672 pessoas.
Renda: R$ 67.585,00.
Local: Estádio Brinco de Ouro.
Data e horário: Sábado, 17 de fevereiro, às 17h.
Árbitro: Thiago Luís Scarascati.
Cartão amarelo: Rodrigo.

Comentários

comentários